Transporte inter-hospitalar pediátrico já salvou muitas vidas

Serviço leva cuidados intensivos a crianças

23 maio 2018
  |  Partilhar:
O transporte inter-hospitalar pediátrico (TIP) permitiu nos últimos 11 anos “levar os cuidados intensivos” a cerca de 15 mil crianças, um serviço que, segundo o INEM, se traduz numa redução de morbilidade e mortalidade em situações críticas, anunciou a agência Lusa.
 
“O objetivo deste transporte é levar os cuidados intensivos até à criança e não a criança até aos cuidados intensivos. Isso sem dúvida foi uma grande mais-valia e traduz-se em muito menos morbilidade e mortalidade neste tipo de situações críticas”, afirmou Francisco Abecasis, coordenador médico responsável pelo TIP Sul.
 
“Estamos a falar de crianças em estado muito crítico, mas a taxa de mortalidade quer antes, durante ou imediatamente a seguir ao transporte é abaixo de 0,5%, são números muito baixos, o que quer dizer que a esmagadora maioria das crianças que é transportada por nós chega com sucesso ao seu destino e consegue depois que as coisas corram bem”, disse.
 
Para o responsável e membro das equipas TIP a estabilização dos doentes é um dos maiores desafios.
 
“Em termos de recém-nascidos há o grande prematuro, a extrema prematuridade, podemos estar a falar de recém-nascidos que têm 500 gramas de peso e que nascem num hospital que não está preparado para isso e, portanto, uma série de cuidados têm que ser tidos e, depois, há a doença aguda em crianças mais velhas, quer o trauma, (…) quer infeções graves (…) situações em que os doentes estão muito instáveis e precisam de muitas manobras de estabilização”, explicou.
 
Atualmente há quatro ambulâncias de TIP no país: TIP Norte (no Porto), TIP Centro (em Coimbra), TIP Sul Lisboa e TIP Sul Algarve (em Faro), o que permite cobrir “a totalidade do território continental”, algo que “poucos países na União Europeia” conseguem.
 
De acordo com o responsável está a ser trabalhada uma “solução juntamente com o INEM, os Açores e a Madeira” para que o sistema de transporte possa ser alargado.
 
Em média, desde 2007, são transportadas quatro crianças por dia em “situações críticas”, que precisam de “cuidados intensivos”.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar