Tecnologia pode estar a substituir álcool entre jovens militares

Estudo das Forças Armadas

04 dezembro 2018
  |  Partilhar:
O aumento do uso da tecnologia pode estar a substituir eventuais dependências alcoólicas, disse à Lusa a primeiro-tenente Médico Naval Diana Terra, autora de um estudo sobre o consumo do álcool nas Forças Portuguesas destacadas.
 
“O que parece haver em relação a dependências e, tomando em conta a idade jovem dos atuais militares em missão, é a dependência da eletrónica – dos jogos – do que propriamente a relação com o álcool”, disse Diana Terra, acrescentando que se trata de uma ideia que deve ser estudada junto das Forças Nacionais Destacadas.
 
“Trata-se de forças especiais, têm respeito pelo corpo e pela boa forma física e acham menos problemático outro escape, porque o álcool era muitas vezes utilizado como escape. Hoje em dia veem como escape a eletrónica, incluindo os jogos. O que estamos a assistir é a uma mudança de paradigma da forma como a nossa juventude, que integra as nossas fileiras, faz a gestão do próprio stress”, refere.
 
A primeiro-tenente Médico Naval é autora de um estudo inédito das Forças Armadas sobre a “prevalência de distúrbios do consumo de álcool em militares portugueses integrados em Forças Nacionais Destacadas”.
 
O estudo foi elaborado com base em inquéritos realizados a 398 militares que estiveram envolvidos em missões nos últimos dois anos, em países como Iraque e Mali.
 
Na investigação foi detetado que o consumo de risco, consumo nocivo e provável dependência, corresponde a 8,3% (do total dos inquiridos).
 
“Eu estava à espera de encontrar uma taxa maior no consumo de álcool”, admite a investigadora.
 
“Atualmente estamos mais alerta para intervir, semanalmente fazemos testes de álcool ao pessoal de serviço e ao consumo de substâncias, através de análises na urina. São testes aleatórios”, acrescenta, sublinhando que o risco de consumo geral é baixo.
 
Segundo Diana Terra, o objetivo da investigação foi o de identificar áreas específicas onde é “benéfico” melhorar a saúde dos militares.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar