Quase um quarto dos portugueses ouve mal

Conclusão do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico

12 março 2018
  |  Partilhar:
Quase um quarto dos portugueses tem dificuldades em ouvir, segundo os resultados do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF).
 
Segundo apurou a agência Lusa, o inquérito conduzido pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), avaliou vários parâmetros da saúde dos portugueses, entre os quais a audição.
 
Questionados sobre dificuldades em ouvir “o que é dito numa conversa”, 1,6 milhões de portugueses (23,7%) respondeu que as sente.
 
A existência de dificuldades auditivas foi mais frequente no grupo etário dos 65 aos 74 anos (41,7%), seguindo-se o dos 55-64 anos (33,7%), entre os 45 e os 54 (21,6%), os 35 e os 44 anos (13,3%) e, por último, o grupo entre os 25 e os 34 anos (13,2%).
 
A região do Alentejo é aquela onde se registam mais portugueses com dificuldades auditivas: 28,6%. Segue-se a região Centro (26,4%), a do Norte (23,5%), de Lisboa e Vale do Tejo (22,7%) e o Algarve (14,6%).
 
As dificuldades auditivas são mais frequentes nas pessoas sem atividade profissional (39,1%), seguindo-se os desempregados (19,5%) e os empregados (17,8%).
 
O inquérito também levou em conta os estudos dos inquiridos, apurando que é junto das pessoas com menos escolaridade que as dificuldades auditivas se revelam mais frequentes.
 
As dificuldades foram mais identificadas por pessoas com nenhuma escolaridade ou o primeiro ciclo (37,8%), as com o segundo ou terceiro ciclo (20%), com o ensino secundário (17,9%) e, por último, as que completaram o ensino superior (16,1%).
 
Das 4.911 pessoas inquiridas para o INSEF, 2,7% referiu usar prótese auditiva e metade desta percentagem disse ter dificuldades.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar