Projeto de intervenção em escolas portuguesas preveniu suicídios

Projeto desenvolvido pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

07 outubro 2019
  |  Partilhar:
Uma intervenção pioneira para “promover o bem-estar e prevenir comportamentos suicidas em alunos do ensino artístico” reduziu a sintomatologia depressiva.
 
O projeto “revelou-se eficaz ao reduzir em mais de 10 pontos percentuais a sintomatologia depressiva moderada e grave identificada em cerca de 30% da amostra estudada”, afirma a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC), numa nota enviada à agência Lusa.
 
Abrangendo cerca de 120 adolescentes do 7º ao 10º ano de escolaridade de escolas de Coimbra, Lisboa e Faro, a intervenção foi promovida pela ESEnfC e Administração Regional de Saúde (ARS), em parceria com o Departamento de Psicologia e Ciências da Educação da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve e os serviços de Pedopsiquiatria do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e do Hospital Dona Estefânia.
 
Denominado “Tela de emoções”, o projeto surge como complemento do programa de prevenção de comportamentos suicidas em meio escolar (3.º ciclo do básico e secundário) “+ Contigo”, mas enquanto abordagem específica inerente aos alunos de cursos artísticos.
 
De acordo com os responsáveis deste trabalho, os estudantes do ensino artístico constituem um “grupo com maior vulnerabilidade em termos de saúde mental”.
 
Além das questões específicas da adolescência, nesta intervenção “emergiram questões ligadas ao corpo, identidade de género e capacidade para lidar com a frustração”, explica José Carlos Santos, coordenador deste projeto.
 
Durante uma década de intervenções, usufruíram do “+ Contigo” mais de 35 mil adolescentes e perto de 400 agrupamentos escolares. Paralelamente, receberam formação mais de 600 dinamizadores, tendo sido encaminhados para cuidados especializados cerca de 400 adolescentes.
 
“O estigma, os processos de negação, de vergonha, de medo, de incompreensão e de falsos conceitos estão ainda presentes e dificultam intervenções atempadas no início do período crítico pós comportamento”, realça José Carlos Santos.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar