O sal poderá ser um fator-chave nas reações alérgicas

Estudo publicado na revista “Science Translational Medicine”

25 fevereiro 2019
  |  Partilhar:
Um novo estudo sugere que o sal, ou cloreto de sódio, poderá estar envolvido nas reações alérgicas do sistema imunitário.
 
Conduzido por uma equipa de investigadores liderada por Christina Zielinski da Universidade Técnica de Munique, Alemanha, o estudo demonstrou que, em culturas celulares, o sal conduz à formação de linfócitos Th2, um subgrupo de linfócitos-T.
 
Por outro lado, foi observado que as alterações foram revertidas quando os linfócitos foram novamente expostos a níveis reduzidos de sal.
 
Os linfócitos Th2 são células imunitárias que podem originar doenças alérgicas da pele, como é o caso da dermatite atópica.
 
A equipa concentrou-se na dermatite atópica, procurando investigar se as regiões da pele afetadas pela doença continham níveis elevados de sódio. Como resultado, foi observado que as regiões da pele afetadas pela doença apresentavam níveis de sódio até 30 vezes mais elevados do que os níveis medidos em pele saudável.
 
“[A existência de] níveis de sódio mais elevados na pele afetada combinam de forma clara com outra característica da dermatite atópica”, comentou Christina Zielinski. 
 
“Sabe-se desde há algum tempo que os pacientes com esta doença apresentam níveis elevados da bactéria Staphylococcus aureus na sua pele. Estas são bactériasque proliferam em condições salgadas – o que contrasta com outras bactérias comensais, que são efetivamente prejudicadas pelo sal”, explicou. 
 
A autora considera que os factos apontados e os achados do estudo sugerem a existência de uma associação entre o sal e a ocorrência de dermatite atópica. Contudo, não foi ainda descoberto como é que aquelas grandes quantidades de sal conseguem chegar à pele. 
 
“Por essa razão, não temos a certeza se uma dieta pobre em sal ou rica em sal poderão estar relacionadas com o surgimento e progressão da dermatite atópica ou de outras doenças alérgicas”, concluiu a investigadora. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar