O nariz também nos defende contra as bactérias patogénicas

Estudo publicado na “Journal of Allergy and Clinical Immunology”

16 novembro 2018
  |  Partilhar:
Um estudo recente revelou novos mecanismos através dos quais as fossas nasais protegem o organismo contra as bactérias.
 
Liderado por Benjamin Bleier, da Universidade de Massachusetts, e da faculdade de Medicina de Harvard, ambas nos EUA, o estudo conduziu à descoberta de células que segregam vesículas minúsculas preenchidas de fluído, que são conhecidas como exossomas.
 
Após serem segregados, os exossomas atacam as bactérias de imediato e enviam ainda moléculas antimicrobianas para as áreas adjacentes dentro do nariz. 
 
Os investigadores descobriram que os exossomas se moviam para o muco das fossas nasais, o que foi observado em células de muco cultivadas em laboratório.
 
Seguidamente, a equipa simulou uma exposição a bactérias e depois calculou o número de exossomas libertados, de forma a verificar o que sucedia quando aquelas células entravam em contacto com os germes.
 
Como resultado, os números de exossomas aumentaram exponencialmente, ao ponto de se terem duplicado após a exposição às bactérias, assim como as moléculas antibacterianas. 
 
A equipa conduziu posteriormente ensaios em pacientes e descobriu que os exossomas resultantes conseguiram exterminar as bactérias, de forma tão eficaz como um antibiótico. A equipa demonstrou ainda que os exossomas tinham sido assimilados por outras células na região, e que conseguiam partilhar as suas moléculas antimicrobianas. 
 
Os exossomas podem ajudar as células na região anterior do nariz a prepararem-se para combater as bactérias, mesmo antes que estas lá cheguem, o que se pode comparar a uma vacina que fortalece as defesas iniciais do organismo.
 
Existe ainda outra defesa no interior das fossas nasais: o muco. Apesar de ser incómodo, principalmente quando estamos constipados, o muco prende e combate os agentes patogénicos que entram nas fossas nasais e extermina-os. Depois, só temos que os assoar para fora. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar