Teste de respiração para detetar cancro agora em fase de ensaio

Estudo conduzido pela Centro de Investigação do Cancro do Reino Unido

09 janeiro 2019
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores prepara-se para testar um novo teste que pode detetar a presença de cancro em qualquer estádio através da respiração.
 
Este teste inovador está a ser desenvolvido pela equipa do Centro de Investigação do Cancro do Reino, Instituto de Cambridge, Reino Unido e testado no Hospital Addenbrooke, também na cidade de Cambridge. 
 
Os investigadores esperam que este teste ajude a detetar precocemente múltiplos tipos de cancro, de forma não-invasiva. Como se sabe, se o cancro for detetado numa fase precoce, mais rapidamente pode o paciente iniciar o tratamento e a hipótese de sucesso torna-se muito maior.
 
Esta abordagem funciona através do rastreio de moléculas conhecidas como compostos orgânicos voláteis (COV) em amostras da respiração do paciente.
 
Segundo os investigadores, durante os processos celulares, as células libertam COV. Se os COV sofrerem mutações, irão alterar os tipos de moléculas que produzem. O objetivo é detetar as alterações nos COV que indiquem a presença de diferentes tipos de cancro.
 
“Precisamos urgentemente de novas ferramentas como este teste de respiração, que poderá ajudar-nos a detetar e a diagnosticar o cancro mais precocemente, oferecendo aos pacientes a maior hipótese de sobreviverem à sua doença”, comentou Rebecca Fitizgerald, investigadora que liderou o estudo. 
 
O ensaio clínico do novo teste, chamado PAN Cancer Trial for Early Detection of Cancer in Breath (Ensaio do Cancro PAN para Deteção Precoce do Cancro na Respiração) encontra-se atualmente em fase de recrutamento de participantes.
 
Os investigadores pretendem recolher e analisar amostras de cerca de 1.500 participantes, que serão pacientes potencialmente com cancro e pacientes saudáveis (controlos). Inicialmente, serão abordados o cancro do estômago e esófago e, posteriormente, potenciais casos de cancro da próstata, fígado, pâncreas, rim ou bexiga.
 
Os participantes irão primeiro ser submetidos ao teste de respiração, seguido dos métodos tradicionais de diagnóstico. Isto permitirá confirmar a eficácia e exatidão do novo teste.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar