Modelo de imagiologia permite monitorizar doença renal crónica

Estudo publicado na revista “Scientific Reports”

14 novembro 2019
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores da Universidade de Hiroshima sugere um método para monitorizar a progressão da inflamação nos rins, em que um gene brilha perante elevados níveis de uma proteína libertada durante a inflamação.
 
A doença renal crónica afeta cerca de 750 milhões de pessoas em todo o mundo anualmente, sendo que o aumento de doenças como a diabetes levam a mais doenças nos rins.
 
Para o diagnóstico é necessário recolher amostras de sangue e biópsias que só se revelam úteis numa fase mais avançada da doença, quando o tratamento já não resulta e a dialise e o transplante são as únicas soluções.
 
Não existe nenhum método de imagiologia que permita visualizar a doença nos rins numa fase inicial da doença, nem em humanos nem em animais.
 
Os investigadores deste estudo usaram um método não invasivo desenvolvido num estudo anterior em que os ratos foram modificados com um gene emissor de luz que brilha na presença de uma elevada quantidade de uma proteína.
 
Esta proteína, a Saa3, é libertada em grandes quantidades durante a inflamação ou dano, podendo ser usada como um biomarcador da doença.
 
Para monitorizar a progressão da doença nos ratos, a equipa alimentou-os com uma dieta rica em adenina para causar doença renal. Os elevados níveis de adenina causaram o aparecimento de cristais (pedras), levando a inflamação e consequente presença elevada da Saa3.
 
Através de um sistema de imagiologia foi possível verificar emissão de luz nos rins dos animais com a doença.
 
Depois de perceberem que um químico presente nos citrinos, o G-Hes tem capacidades terapêuticas, este foi administrado nos animais juntamente com a adenina.
 
Os exames de imagiologia mostraram menos inflamação nos rins, o que se confirmou com análises ao sangue.
 
A equipa sugere este modelo em ratos como forma de monitorizar a progressão de doenças dos rins e os efeitos dos agentes terapêuticos em teste.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar