Microbiota no início de vida protege contra cancro do cólon em adulto

Estudo publicado na revista “Cancer Immunology Research”

18 março 2019
  |  Partilhar:
A exposição à microbiota ou microrganismos como bactérias, nos primeiros tempos de vida, é fundamental para que os intestinos criem condições ideais que inibam o desenvolvimento de cancro do cólon na idade adulta, apurou um estudo.
 
O estudo, que explorou a exposição à microbiota no útero, nas semanas após o nascimento e a respetiva influência sobre o desenvolvimento de cancro associado a colite, foi liderado por investigadores da Universidade do Estado da Geórgia, EUA.
 
Tanto os humanos como os ratos são inicialmente expostos à microbiota na altura do nascimento, nomeadamente através do canal vaginal.
 
Os investigadores compararam dois grupos de ratinhos. O primeiro grupo incluía ratinhos nascidos de mães sem germes e criados em condições sem germes, o que significa que não foram expostos a bactérias por parte da mãe e do exterior. Após deixarem de amamentar, foram transferidos para um ambiente com microbiota normal.
 
O segundo grupo consistiu em ratinhos que nasceram de mães normais e que foram criados em condições normais. 
 
Às seis semanas de vida todos os ratinhos receberam uma indução de cancro do cólon. Como consequência, os ratinhos sem germes apresentaram muitos mais tumores e bastante maiores do que os criados em condições normais.
 
O estudo descobriu que a ausência de microbiota nos primeiros tempos de vida resultou numa expressão genética pró-inflamatória mais acentuada e numa acumulação de células imunitárias conhecidas como supressoras derivadas da linhagem mieloide. Estas células suprimem outras células imunitárias que ajudam a exterminar ou a limitar o crescimento tumoral.
 
Embora os humanos possuam germes, estes resultados poderão ajudar a perceber a influência da composição da microbiota nas mães e bebés sobre o controlo de muitos genes inflamatórios e na suscetibilidade a doenças numa fase posterior da vida, incluindo o cancro.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar