Microbioma poderá prevenir e reverter alergias alimentares

Estudo publicado na revista “Nature Medicine”

27 junho 2019
  |  Partilhar:
Um novo estudo indicou que o microbioma intestinal adequado poderá impedir os recém-nascidos de desenvolverem alergias alimentares e revertê-las em quem já as possui.
 
O estudo, conduzido em ratinhos, foi da autoria de investigadores do Hospital Pediátrico de Boston e do Hospital Brigham and Women, nos EUA, e sugere que as alergias alimentares poderão ser desencadeadas pela ausência de certas bactérias benéficas nos intestinos humanos.
 
Para a sua investigação, a equipa recolheu amostras fecais de 56 bebés com alergias alimentares e de 98 bebés sem alergias alimentares. Após terem analisado o conteúdo bacteriano das amostras, os investigadores descobriram que as bactérias das fezes dos bebés com alergias alimentares eram diferentes das dos controlos.
 
Com o objetivo de perceberem se aquelas diferenças estariam envolvidas nas alergias alimentares, os investigadores transplantaram bactérias fecais dos bebés para ratinhos com tendência para alergias. Seguidamente, tornaram o sistema imunitário dos animais vulnerável à proteína de ovo de galinha e depois expuseram-nos a uma dose elevada do alérgeno.
 
Como consequência, os ratinhos com o transplante de bactérias fecais dos bebés alérgicos tiveram uma reação potencialmente fatal conhecida como anafilaxia. 
 
“As bactérias fecais dos sujeitos alérgicos a alimentos não os protegeram da alergia alimentar, enquanto as bactérias dos sujeitos de controlo protegeram”, afirmou Talal Chatila, coautor sénior do estudo.
 
O passo seguinte foi identificar as bactérias que estariam a proteger os ratinhos das reações alérgicas alimentares. A equipa testou, nos ratinhos, seis espécies bacterianas da ordem Clostridiales que tinham já indicado oferecer proteção contra alergias alimentares. 
 
Como resultado, os ratinhos que receberam as bactérias Clostridiales ficaram protegidos contra a proteína do ovo, enquanto que os que tinham recebido bactérias comuns não ficaram.
 
O mesmo foi observado com as bactérias da ordem Bacteroidales. Finalmente, a equipa tratou ratinhos com alergias alimentares com misturas de Clostridiales ou de Bacteroidales, as quais suprimiram totalmente reações alérgicas nos animais. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar