Mais de 500 toneladas de medicamentos apreendidas em megaoperação

Operação efetuada pela Interpol em 116 países

25 outubro 2018
  |  Partilhar:
Mais de 500 toneladas de medicamentos foram apreendidas numa megaoperação envolvendo autoridades policiais, alfandegárias e de saúde de 116 países, incluindo Portugal, e que resultaram em 859 detenções, revelou a Interpol.
 
Em comunicado ao qual a agência Lusa teve acesso, a Interpol refere que, entre os fármacos apreendidos, estão falsos medicamentos contra o cancro e analgésicos contrafeitos, bem como seringas sem qualidade.
 
No âmbito da Operação Pangea XI, o material apreendido está avaliado em 12,1 milhões de euros.
 
Em Portugal foram controladas 3.881 encomendas, das quais 130 foram apreendidas durante a semana em que decorreu a operação (entre 09 e 16 de outubro), que contou com a participação da Autoridade Tributária e Aduaneira e do Infarmed.
 
Segundo um comunicado do Infarmed, a apreensão de encomendas impediu a entrada em Portugal de 8.886 unidades de medicamentos ilegais, com um valor superior a 23 mil euros.
 
A investigação, segundo a Interpol, focou-se em serviços de entrega que eram usados por redes criminosas organizadas, que, por sua vez, operavam através da internet, em redes sociais e sítios de compras.
 
Quase um milhão de embalagens foram inspecionadas na semana da operação, de uma vasta gama de fármacos: anti-inflamatórios, analgésicos, hipnóticos e sedativos, comprimidos para a disfunção erétil, esteroides anabolizantes, comprimidos para emagrecimento, Parkinson e diabetes e até para o tratamento de VIH/Sida. Foram ainda verificados mais de 110 mil dispositivos médicos.
 
Foram monitorizadas 16.218 hiperligações na internet, tendo sido desligadas 3.671. Destas, 2.688 eram de sítios na internet e 983 eram de páginas em redes sociais com promoção de produtos farmacêuticos ilícitos.
 
Uma operação idêntica foi realizada em setembro de 2017 (Pangea X) e culminou com a detenção de cerca de 400 pessoas e 25 milhões de unidades de medicamentos falsos, potencialmente letais, apreendidos.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar