Lançada campanha de alerta para os efeitos do consumo de álcool

Campanha promovida pelo SICAD

21 junho 2019
  |  Partilhar:
O Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) lançou a campanha “O que vai beber este verão”, que alerta para os efeitos nocivos do consumo de álcool.
 
A campanha de prevenção e sensibilização do SICAD inclui “peças gráficas” que apresentam dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), segundo os quais 20% das mortes de jovens entre os 15 e os 24 anos e 27% das mortes em acidentes rodoviários e 70% das mortes por cirrose se devem ao consumo de álcool.
 
Em declarações à agência Lusa, o subdiretor-geral do SICAD, Manuel Cardoso, explicou que estes valores fazem parte do relatório de 2018 da OMS e que não se referem propriamente a Portugal.
 
“Nós temos em algumas circunstâncias valores piores”, lamentou Manuel Cardoso, referindo-se aos acidentes de viação.
 
“Quando olhamos para as causas de morte nas estradas a percentagem dos que tinham excesso de álcool é eventualmente maior que os 27%” apontados no relatório de 2018 da OMS”.
 
No caso dos mais jovens, sublinhou, “as mortes são menos, mas as que são atribuídas ao uso nocivo do álcool são uma percentagem muito alta”.
 
“É um período da vida em que, em princípio, as mortes são raras” e as que acontecem devem-se fundamentalmente “a causas não naturais, por acidentes” relacionados com o consumo de álcool ou de drogas.
 
O subdiretor-geral do SICAD explicou que a campanha “O que vai beber este verão” se associa a outra, da Direção-Geral da Saúde (DGS) que visa a prevenção de comportamentos de risco.
 
Estudos nacionais e internacionais apontam para as consequências nocivas do consumo de álcool na saúde pública e refletem que a realidade portuguesa está longe de ser ideal. Manuel Cardoso adiantou que a campanha visa “relembrar que a saúde deverá ser uma constante na vida de todos, mesmo em férias”.   
 
Segundo o último relatório do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências, 170 pessoas morreram em 2017 em acidentes de viação sob a influência do álcool, o valor mais elevado dos últimos cinco anos. Dos 170 mortos cerca de 80% eram condutores, 14% peões e 6% passageiros.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar