Instituto de Medicina Tropical alerta para riscos de malária

Para um viajante não imune é sempre uma emergência médica

09 janeiro 2017
  |  Partilhar:
O Instituto de Higiene e Medicina Tropical alertou que a malária, para um viajante não imune, “é sempre uma emergência médica”, e que a responsabilidade por diagnóstico e tratamento precoce é partilhada entre médico e viajante.
 
O alerta surge na sequência de dois casos recentes em Portugal, o que levou o instituto a recordar que o mosquito que transmite a malária por picada é considerado pela Organização Mundial de Saúde “o animal mais mortífero do planeta, responsável por 725 mil mortes por ano”.
 
“Em Portugal, registaram-se 1172 internamentos por malária entre 2010 e 2014. A consulta do viajante existe com o objetivo de ajudar a prevenir as doenças tropicais nos viajantes, com especial preocupação pela malária e tem eficácia comprovada, estando associada a uma menor taxa de morbilidade, bem como a formas menos graves da doença”, lê-se num comunicado do organismo, ao qual a agência Lusa teve acesso.
 
O instituto da Universidade Nova de Lisboa lembra que “a responsabilidade pela suspeita clínica, diagnóstico e tratamento precoce da malária é partilhada pelo médico e pelo viajante”.
 
“Ao viajante compete a responsabilidade de, antes de viajar para zonas endémicas, obter informação sobre os riscos e formas de os prevenir, designadamente comparecendo a uma consulta do viajante. Ao médico, compete informar e sensibilizar sobre o risco, gravidade da doença e estratégias profiláticas. Isto inclui a sensibilização para sintomas que possam ocorrer durante e mesmo após a viagem e respetivas estratégias de atuação”, refere o Instituto de Higiene e Medicina Tropical.
 
No comunicado do instituto, o diretor clínico da consulta do viajante relembra que qualquer doença febril que surja durante a viagem ou nos meses após o regresso pode ser uma manifestação de malária, e que deve ser motivo de observação médica urgente, sobretudo em pessoas não-imunes, ou seja, todas aquelas que não vivem em zonas endémicas da doença.
 
O instituto recorda que dispõe de “consulta pré-viagem e pósviagem (Medicina Tropical), providenciando ainda um acompanhamento ao viajante durante a viagem”, e salienta que todos os viajantes para zonas tropicais devem ir a uma consulta do viajante, ser vacinados se isso for prescrito pelo médico e cumprir a medicação profilática receitada.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar