Hospitais públicos já avaliam o risco nutricional de doentes internados

Medida poderá abranger cerca de 800 mil doentes por ano

09 agosto 2019
  |  Partilhar:
Todos os hospitais públicos dispõem agora de uma ferramenta para avaliar o risco nutricional dos doentes internados, uma medida com potencial para abranger cerca de 800 mil doentes por ano, divulgou a agência Lusa.
 
“A avaliação do risco nutricional é um passo essencial para a implementação de uma estratégia de combate à desnutrição hospitalar, uma condição que se estima que possa estar presente em 20% a 50% dos doentes internados”, sublinha o Ministério num comunicado publicado no Portal da Saúde.
 
Segundo o Ministério da Saúde, a identificação precoce dos doentes com desnutrição ou em risco é essencial para promover o suporte nutricional adequado à sua recuperação.
 
“A implementação de uma identificação precoce do risco nutricional irá trazer ganhos em termos de qualidade de vida e na recuperação do estado de saúde, podendo ainda contribuir para reduzir úlceras de pressão” e reduzir custos, uma vez que a desnutrição está associada a internamentos mais longos, afetando sobretudo os mais idosos.
 
O Governo afirmou ainda que “a desnutrição em doentes internados em hospitais representa um grave problema de saúde que é frequentemente encoberto por outras situações clínicas”.
 
“Trata-se de uma situação que amplifica a necessidade de cuidados de saúde e influência marcadamente a qualidade de vida dos doentes, com elevados custos a nível pessoal, para a sociedade e para o sistema de saúde”, adianta.
 
Também está associada a um aumento do risco de infeções e de outras complicações e a uma necessidade acrescida de tratamentos hospitalares e de reinternamentos, a um aumento do tempo de internamento hospitalar e a uma maior morbilidade e mortalidade.
 
A medida arrancou em abril com duas experiências-piloto na Unidade Local de Saúde do Alto Minho e no Centro Hospitalar de Lisboa Central e foi “alargada a todas as unidades hospitalares do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar