Há tendência de globalização de doenças antes restritas ao trópicos

Entrevista com o diretor do Instituto de Higiene e Medicina Tropical

03 abril 2019
  |  Partilhar:
Paulo Ferrinho, diretor do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT), alertou, em entrevista à agência Lusa, para a tendência de globalização das doenças tropicais, admitindo a possibilidade de "surtos esporádicos" de malária na Europa.
 
"A tendência atual das doenças tropicais é de uma convergência cada vez maior entre o tropical e o global. É cada vez mais difícil separar o tropical do global por causa das alterações de contexto, desde as alterações climáticas à mobilidade das populações, das mercadorias e dos vetores (mosquitos), o que leva à globalização de doenças que antes estavam restritas aos trópicos", disse Paulo Ferrinho.
 
O especialista em saúde pública e medicina tropical assinalou que o agente vetor (aedes albopictus) de várias destas doenças "é um invasor destemido, que avança mundo fora" e já está "a penetrar na Europa".
 
"Ao entrar na Europa, criou alguns surtos de doenças transmitidas por vetores, como a chikungunya, em alguns países europeus. Já temos o aedes albopictus em Portugal e temos de estar atentos para o controlar e para que não se instalem em Portugal doenças que até há pouco tempo eram tropicais", acrescentou.
 
Paulo Ferrinho lembrou que o vírus da sida, que surgiu na República Democrática do Congo, levou 80 anos a globalizar-se, mas alertou que a disseminação de doenças pode ser hoje muito mais rápida.
 
Cerca de mil milhões de pessoas ficarão expostas a doenças como a febre dengue se o aquecimento global continuar, segundo um estudo científico publicado no boletim científico PLOS, que se baseou no registo mensal das temperaturas mundiais.
 
Os cientistas concluíram que as doenças de climas tropicais estão em expansão e atingirão zonas do globo com climas atualmente menos favoráveis aos mosquitos, porque os vírus que estes propagam provocam epidemias explosivas quando se verificam as condições certas.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar