Dietas ricas em frutose e gordura são mais prejudiciais para o fígado

Estudo publicado na revista “Cell Metabolism”

10 outubro 2019
  |  Partilhar:
Investigadores do Centro para a Diabetes Joslin, EUA, descobriram que elevadas doses de frutose são mais prejudiciais que elevadas doses de glucose.
 
C. Ronald Kahn, investigador principal, explica: “A frutose faz o fígado acumular gordura. É quase como adicionar mais gordura à dieta. Isto contrasta com o efeito de adicionar glucose, que faz o fígado queimar gordura, o que promove um metabolismo mais saudável”.
 
Foram analisados 6 tipos de dietas em animais: comida normal, comida rica em frutose, comida rica em glucose, uma dieta rica em gorduras, uma dieta rica em gorduras e em frutose e, por fim, uma dieta rica em gordura e glucose.
 
Analisaram-se marcadores que assinalavam a gordura no fígado, como as acilcarnitinas, que se produzem quando o fígado queima gorduras. Níveis elevados de acilcarnitinas são um mau sinal, visto que significa que existe uma grande quantidade de gordura no fígado a ser queimada.
 
As acilcarnitinas evidenciavam-se nos animais com uma dieta rica em gorduras e frutose e eram menos presentes nos animais alimentados com uma dieta rica em gorduras e glucose do que com uma dieta só rica em gordura. Isto reflete que a glucose ajuda a queimar gorduras.
 
Outro marcador analisado foi a enzima CPT1a, fundamental no processo de queimar gordura, pelo que quanto mais presente, melhor. Contudo, na dieta rica em gorduras e frutose os níveis desta enzima eram muito baixos, fazendo com que as mitocôndrias não funcionassem devidamente.
 
Kahn revela que as mitocôndrias saudáveis têm uma forma ovoide, mas nas dietas ricas em gordura e frutose apresentaram-se fragmentadas e não conseguiam queimar tão bem a gordura. Na dieta rica em gorduras e glucose as mitocôndrias já apresentavam uma forma e funcionamento normais.
 
Este estudo mostra que as dietas ricas em gordura e frutose danificam as mitocôndrias, tornando mais fácil para o fígado acumular gordura do que queimá-la.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar