Diabetes associada a maior risco de lombalgia

Estudo publicado na “PLOS ONE”

26 fevereiro 2019
  |  Partilhar:
As pessoas com diabetes apresentam uma propensão maior de sofrerem dores lombares e do pescoço do que as pessoas sem diabetes, sugere um estudo.
 
O estudo, que consistiu em meta-análises de oito ensaios conduzidos em participantes com 18 anos ou mais de idade, foi liderado por Manuela Ferreira, investigadora na Universidade de Sydney, na Austrália.
 
Com efeito, os investigadores descobriram que os pacientes com diabetes corriam um risco 35% mais elevado de dor lombar, ou lombalgia, e 24% mais elevado de dores no pescoço do que os participantes sem diabetes.
 
Perante os achados, Manuela Ferreira avançou que “a diabetes e a dor lombar e a dor no pescoço parecem estar de alguma forma interligadas. Não conseguimos dizer como, mas estes achados sugerem que está garantida mais investigação sobre a ligação”.
 
A equipa não apurou evidência suficiente para estabelecer uma relação causal entre a diabetes e as lombalgias e dores no pescoço. No entanto, garante que esta relação será alvo de estudos mais aprofundados.
 
As meta-análises indicaram ainda que a medicação para tratar a diabetes poderá influenciar a dor, possivelmente através do seu efeito sobre os níveis de glicose no sangue, um achado que requer investigação.
 
“A diabetes de tipo 2 e a dor lombar têm uma relação forte com a obesidade e a falta de atividade física, pelo que uma progressão lógica para esta investigação pode ser analisar estes fatores em mais detalhe. A nossa análise oferece mais evidência de como o controlo do peso e a atividade física desempenham papéis fundamentais na manutenção da saúde”, concluiu a investigadora.
 
Os autores recomendam aos profissionais de saúde que considerem fazer o rastreio da diabetes aos pacientes que se apresentem com queixas de lombalgias ou de dores no pescoço.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar