Desenvolvida ferramenta para triagem da asma

Estudo publicado na “The Journal of Allergy and Clinical Immunology: In Practice”

06 dezembro 2018
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde anunciou ter criado uma ferramenta para identificar a asma, que usa “um simples sistema de pontuações”.
 
Segundo apontou a agência Lusa, a equipa de investigação desenvolveu e validou duas pontuações para a identificação da asma em adultos.
 
“Para isso, foram avaliados dados de mais de 700 adultos com e sem asma, de todo o país. Os doentes foram avaliados por um especialista em consulta médica estruturada e meios auxiliares de diagnóstico”, explica a investigadora Ana Sá Sousa, primeira autora do trabalho.
 
Os dois questionários de identificação de asma desenvolvidos demonstraram ser boas ferramentas de triagem da asma em adultos, possibilitando também, pela primeira vez, a utilização de pontuações cientificamente robustas em estudos epidemiológicos de asma.
 
Os questionários são curtos (com seis ou oito questões) e fáceis de usar, sendo o resultado dado pela soma do número de respostas positivas. 
 
O desempenho desta ferramenta tem entusiasmado a comunidade médica, estando já a ser planeados “novos estudos noutras populações, incluindo no sudoeste asiático”, acrescenta João Fonseca, líder da equipa de investigação e especialista em imunoalergologia.
 
De acordo com o CINTESIS, só em Portugal estima-se que a asma afete 700 mil pessoas e que custe ao Estado cerca de 550 milhões de euros por ano – 929 euros por criança e de 708 euros por adulto –, valores que duplicam quando se fala de doentes com asma não controlada.
 
Segundo João Fonseca, “embora seja uma doença muito comum e muito estudada, a asma ainda não dispunha de nenhum instrumento de triagem simples e fiável, desenvolvido de forma exigente”.
 
A falha que este trabalho vem agora colmatar, além de dificultar a identificação de casos de asma, “prejudicava a robustez dos estudos sobre esta doença e estará, até, por detrás de algumas disparidades encontradas entre a prevalência de asma reportadas por diferentes trabalhos”.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar