Controlo de qualidade de células estaminais pode influenciar luta contra o cancro

Estudo com a participação da Universidade de Coimbra

21 maio 2019
  |  Partilhar:
Investigadores da Universidade de Coimbra demonstraram que regular os processos de reciclagem e controlo de qualidade de células estaminais poderá ter um grande impacto na medicina regenerativa e na luta contra o cancro, anunciou a agência Lusa.
 
O estudo sugere estratégias para manter saudáveis durante mais tempo as células estaminais dos tecidos.
 
Os investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra trabalharam em parceria com investigadores da Universidade de Aveiro, da Universidade do Minnesota (EUA) e da Universidade de Oviedo (Espanha).
 
"O objetivo do estudo foi tentar compreender como é que os processos de autofagia (‘reciclagem de componentes celulares') e apoptose (‘morte celular programada'), responsáveis pelo controlo de qualidade celular nos diferentes tecidos, conseguem aumentar a competência das células estaminais (que têm como função originar vários tipos de células no nosso organismo)", explica a Universidade de Coimbra.
 
À medida que se vai “envelhecendo, os reservatórios de células estaminais vão-se esgotando, uma vez que estas vão perdendo a sua capacidade de gerar células mais diferenciadas corretamente, acumulando erros no processo”, sublinha Paulo Oliveira, colíder do estudo.
 
"Se compreendermos como é que estas células estaminais mantêm a sua qualidade, nomeadamente a reciclagem do lixo acumulado ou um metabolismo ‘saudável', poderemos preservar a sua função de regeneração de tecidos. Queríamos tentar perceber como é que conseguiríamos minimizar a transmissão de danos para células-filha e garantir a fotocópia perfeita", descreve o investigador.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar