Cateteres são uma enorme fonte de infeção

Estudo publicado na “American Journal of Critical Care”

04 julho 2019
  |  Partilhar:
Os dispositivos intravenosos como os cateteres causam cerca de 25% das infeções hospitalares, mas não tem sido possível reduzir o uso desadequado dos mesmos.
 
Segundo um estudo conduzido por uma equipa de investigadores da Universidade de Michigan, nos EUA, a maioria dos problemas relacionados com o uso de cateteres advém de falhas de comunicação entre médicos e enfermeiros.
 
“Mesmo aquelas coisas mundanas, simples, podem ter consequências inesperadas que vão muito além do seu âmbito”, acrescentou Milisa Manojlovich, investigadora que liderou o estudo.
 
“As pessoas estão sempre a receber cateteres, mas, entretanto, causam muitos danos, sendo que temos que discutir isso. Este estudo descobriu um leque inteiro de fatores que afetava a capacidade de se discutir este assunto”, comentou.
 
Para a sua investigação, Milisa Manojlovich e equipa entrevistaram um pequeno grupo de profissionais de saúde que incluía enfermeiros, assistentes de médicos e médicos, sobre problemas de monitorização e de comunicação nas equipas sobre os cateteres inseridos nos pacientes.
 
Todos os profissionais entrevistados disseram que os problemas de comunicação atrasavam a remoção de cateteres desnecessários. 
 
A comunicação falhava por várias razões e a vários níveis: mau relacionamento entre médicos e enfermeiros, diferenças hierárquicas e fluxos de trabalho desalinhados que impediam que os enfermeiros estivessem presentes nas rondas diárias, na altura em que os cirurgiões e equipas médicas reviam os planos de cuidados dos pacientes.
 
Os cateteres estão muitas vezes escondidos debaixo dos lençóis e os médicos acabam por não saber quem os está a usar, especialmente se não estiverem acompanhados por um enfermeiro que o indique. 
 
O estudo estimou que entre 60 a 90% dos pacientes nos cuidados intensivos e entre 10 e 30% fora dessas unidades usam cateteres urinários. Milisa Manojlovich lembrou que qualquer objeto estranho no corpo acarreta um risco de infeção.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar