Cancro colorretal com metástases: novo tratamento mais eficaz

Estudo publicado na revista “Cancer”

03 janeiro 2019
  |  Partilhar:
A combinação de dois fármacos para o cancro, um deles comum, é mais eficaz do que alguns fármacos administrados isoladamente para travar o progresso do cancro colorretal, demonstrou um novo estudo.
 
Nos casos em que o cancro colorretal se espalha para outros órgãos, as hipóteses de sobrevivência do doente reduzem substancialmente. Embora vários medicamentos desacelerem o progresso da doença, apenas cerca de 13% dos doentes sobrevivem num período de cinco anos. 
 
Uma equipa de investigadores liderada por Richard Goldberg, diretor do Instituto do Cancro da Universidade da Virgínia Ocidental, EUA, descobriu que a combinação de um tratamento de segunda linha para o cancro, conhecido com FOLFIRI, e o fármaco regorafenib conseguiam travar o cancro durante um período mais prolongado.
 
Para a sua investigação, a equipa recrutou 181 pacientes com cancro colorretal cujos tumores não podiam ser removidos por via cirúrgica. Todos os doentes tinham cancro com metástases que tinha avançado após tratamento de quimioterapia de primeira linha.
 
Os doentes foram divididos em dois grupos que receberam os seguintes tratamentos: um grupo recebeu FOLFIRI e regorafenib e o outro grupo recebeu FOLFIRI e um placebo.
 
Os resultados foram animadores. Os participantes do grupo que tinha tomado a combinação de FOLFIRI e de regorafenib experienciaram uma interrupção mais longa na evolução do cancro do que o grupo do FOLFIRI e placebo. 
 
Adicionalmente, os efeitos adversos, comuns nos fármacos quimioterápicos, foram menores no grupo de regorafenib. Os doentes sentiram menos fadiga, menos falta de apetite, menos diarreia, menos fraqueza e outros. Ao longo do estudo, os investigadores descobriram que os doentes podiam tomar uma dose inferior de regorafenib, não perdendo a ação do fármaco quando combinado com FOLFIRI.
 
Com efeito, 160 mg diários de regorafenib durante seis dias, em vez de 180 mg durante duas semanas, produziram uma redução significativa nos efeitos secundários, sem, contudo, perder a eficácia do fármaco.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar