Aumenta consumo de álcool e canábis por mulheres e idosos

“Relatório Anual sobre A Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependências 2016”

09 fevereiro 2018
  |  Partilhar:

O diretor-geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) destacou o consumo de canábis e de álcool entre as mulheres e idosos como os pontos mais negativos em matéria de toxicodependência em Portugal.

 

Segundo noticiou a agência Lusa, a propósito do “Relatório Anual sobre A Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependências 2016” apresentado na Assembleia da República, João Goulão elegeu como “dados mais relevantes e mais negativos” este aumento dos consumos nas mulheres e nos mais velhos.

 

Segundo o relatório, entre 2012 e 2016/17, o “consumo de risco elevado/nocivo” diminuiu nos homens, mas aumentou nas mulheres, sendo que a dependência aumentou em ambos os sexos, embora com maior relevo nos homens.

 

Em declarações à agência Lusa, o diretor-geral do SICAD afirmou que, “apesar de haver algumas inflexões e alguns dados que “preocupam, o panorama relativo aos comportamentos aditivos em Portugal tem, de uma forma geral, vindo a melhorar”.

 

“(…) Temos um aumento do consumo de canábis na população em geral, um aumento do consumo de álcool entre as raparigas e mulheres e nos grupos etários mais velhos”, frisou.

 

João Goulão adiantou que a intervenção preventiva tem sido muito focada nos mais jovens, mas os resultados apresentados apontam que há necessidade de investir também junto da população mais velha.

 

Relativamente às causas que poderão ter levado a este aumento dos consumos nas mulheres, João Goulão disse que “podemos especular e apontar algumas causas como a participação cada vez maior das mulheres na vida social, na vida laboral e a sua maior independência. Tudo isso as aproxima de comportamentos que antes estavam mais reservados aos homens”, comentou.

 

“Chegámos a ter proporções em relação às substâncias ilícitas na ordem dos 90 homens para 10 mulheres ou 80/20 e agora estão quase equiparados”, sublinhou.

 

Relativamente aos mais velhos, apontou como uma das razões que poderá estar na base do aumento do uso problemático do álcool o período de crise económica e social que Portugal viveu.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar