Antibióticos travam um dos tipos de demência

Estudo publicado na revista “Human Molecular Genetics”

15 janeiro 2020
  |  Partilhar:
Investigadores de instituições norte-americanas e do Reino Unido descobriram dois tipos de antibióticos aminoglicósidos que permitem tratar a demência frontotemporal.
 
A demência frontotemporal é o segundo maior tipo de demência a seguir à doença de Alzheimer e a mais comum demência em pessoas antes da terceira idade. Afeta os lobos temporal e frontal, levando a alterações de comportamento, dificuldade de fala e escrita e deterioração da memória.
 
Um subgrupo de doentes com demência frontotemporal tem uma mutação genética específica que impede as células cerebrais de produzirem uma proteína chamada progranulina. A ausência desta proteína está ligada à demência, apesar de não se entender como.
 
A equipa de investigadores descobriu que dois antibióticos aminoglicósidos (gentamicina e G418), quando adicionados às células neuronais com a mutação, eram ambos eficazes em fazê-las ultrapassar a mutação e voltar a produzir progranulina.
 
Depois de administrados os antibióticos nas células, os níveis de progranulina subiram 50 a 60%.
 
Estes resultados oferecem finalmente um potencial tratamento para a demência, tendo em conta que não há atualmente tratamento nem cura para o problema.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar