Terapia de reposição da testosterona pode aumentar risco cardiovascular

Estudo publicado na revista “The American Journal of Medicine”

23 julho 2019
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores recomenda precaução na prescrição da Terapia de Reposição de Testosterona (TRT) em homens com mais de 45 anos de idade.
 
A recomendação vem no âmbito do resultado de um estudo cujos resultados indicam que os homens daquela faixa etária que fazem aquele tipo de tratamento apresentam um risco mais elevado de episódios cardiovasculares, particularmente nos primeiros dois anos de uso.
 
Liderado por Christel Renoux, da Universidade McGill, em Montreal, Canadá, o estudo foi baseado na análise de uma base de dados com processos clínicos eletrónicos de pacientes em centros de saúde no Reino Unido. 
 
Os investigadores reuniram informação sobre 15.401 homens, com 45 anos de idade ou mais, e com hipogonadismo (níveis reduzidos de testosterona). 
 
Foi apurado que os utilizadores da TRT apresentavam um risco 21% mais elevado de eventos cardiovasculares em relação aos não-utilizadores. Este risco parece ser transiente, pois diminuiu após dois anos de uso da terapia.
 
“Os nossos achados demonstram que o uso da TRT foi associado a um maior risco de acidente vascular cerebral, de AIT [ataque isquémico transiente] e de paragem cardíaca durante os dois primeiros anos de uso”, afirmou Christel Renoux.
 
A investigadora explicou que “existem poucas evidências sobre os benefícios clínicos da TRT a longo-prazo no tratamento eficaz das reduções modestas dos níveis de testosterona endógena em homens em envelhecimento, mas saudáveis.”
 
Considerando os achados, “recomendamos vivamente que os médicos procedam com precaução ao considerarem prescrever TRT e que primeiro discutam os potenciais benefícios e riscos com os pacientes”, concluiu.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário