Sucesso com técnica para disfunção erétil relacionada com cancro

Estudo publicado na revista “European Urology”

17 abril 2019
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores aperfeiçoou com sucesso uma técnica cirúrgica minimamente invasiva para recuperar a função erétil em homens submetidos a cirurgia para cancro da próstata (prostatectomia).
 
As prostatectomias radicais podem danificar os nervos do corpo cavernoso, que é a parte esponjosa do pénis, responsável por iniciar a ereção. Como consequência, uma substancial percentagem de pacientes fica com disfunção erétil. 
 
Os tratamentos atuais passam por injeções ou uma prótese, métodos que têm efeitos secundários.
 
A intervenção cirúrgica que foi desenvolvida por Christopher Coombs, da Universidade de Melbourne, e David Dangerfield, da Universidade Monash, ambas na Austrália, foi usada de forma pioneira no Brasil, pelo cirurgião Fausto Viterbo.
 
A nova técnica término-lateral consiste na remoção de dois nervos surais das pernas, que não são necessários para a função total da perna. Para o enxerto do nervo, uma extremidade é ligada ao nervo femoral da coxa e a outra ao corpo cavernoso.
 
O nervo sural atua como uma estrutura condutora que leva fibras nervosas regeneradoras do nervo femoral para o corpo cavernoso. Cerca de 12 meses depois, as novas terminações nervosas no corpo cavernoso libertam um neurotransmissor (a acetilcolina) que ajudará a iniciar uma ereção. 
 
Fausto Viterbo tinha, em 2017, relatado um enxerto de nervo término-lateral. Os cirurgiões australianos melhoraram a técnica de forma a induzir menos danos no nervo femoral e estimular a regeneração. A nova técnica tem como objetivo fornecer mais axónios ao pénis devido aos danos parciais no nervo femoral. 
 
O procedimento obteve uma taxa de sucesso de 71% em 17 pacientes que tinham menos de 70 anos. Com efeito, três dos pacientes voltaram a ter função erétil seis meses após a cirurgia, e nove 12 meses após. Dois dos pacientes relataram ter conseguido a sua primeira ereção em 12 anos.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário