Portugal tem cuidados de pedopsiquiatria muito abaixo dos países europeus

Considerações do vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental

11 fevereiro 2019
  |  Partilhar:
"Portugal está muito, muito abaixo dos outros países europeus e do mundo ao nível dos cuidados da pedopsiquiatria, ou seja, da saúde mental das crianças e adolescentes", disse à agência Lusa Pedro Varandas, vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental (SPPSM).
 
O especialista considera que o país "está muito abaixo dos recursos e das políticas públicas que pôs e ainda coloca na ajuda dessas pessoas".
 
Para Pedro Varandas, o futuro vai ter de determinar uma prioridade," que é dita sempre como prioridade, mas que nunca é implementada, com forte investimento financeiro na área da saúde mental da infância e da adolescência".
 
"Aqui, estamos abaixo de tudo", sublinhou o médico, salientando que se chegou a este ponto porque "não houve investimento, e quando não há investimento não há recursos, e quando não há recursos não se faz, e, portanto, há aqui um ciclo negativo".
 
Segundo o vice-presidente da SPPSM, "tudo, mas tudo o que não foi feito determinou que tenha havido um certo abandono dos cuidados de saúde mental ao nível da criança e do adolescente".
 
"Isso vai ter de ser prioritário, porque a recuperação destes jovens e adolescentes significará adultos melhores, mais capazes, e adultos socialmente produtivos, e não adultos que são depois onerosos para a própria sociedade e que vivem em sofrimento sem que lhes tenha sido dado a chance de terem os cuidados que necessitavam na fase em que lhes podiam ser úteis", frisou.
 
De acordo com Pedro Varandas, Portugal tem poucos pedopsiquiatras, insuficiência de instalações para receber as crianças e adolescentes mais graves e poucos enfermeiros para o fazer.
 
"Tudo isto tem de partir desta base muito pequena para uma mais alargada para podermos oferecer os cuidados que estas pessoas precisam na hora certa, para que depois as coisas não descambem para um desfecho que depois não tem recuperação", sublinhou.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário