Novo estudo redefine conceito de obstipação

Estudo publicado na “American Journal of Gastroenterology”

25 julho 2019
  |  Partilhar:
A perceção de obstipação pela pessoa comum difere bastante da perceção dos médicos, o que faz com que o seu diagnóstico seja mais difícil e indefinido.
 
A forma de diagnosticar este problema varia consideravelmente, sendo os métodos, critérios e sintomas muito variados. O médico pode usar métodos pragmáticos com um conjunto de sintomas já definidos (Roma IV) ou associar à doença determinados sintomas constantes sentidos pelo paciente durante um certo período de tempo.
 
Uma equipa de investigadores do King’s College London, Reino Unido, liderada por Eirini Dimidi identificou seis conjuntos de sintomas comuns usados por médicos e pacientes para melhorar a definição de obstipação e o seu diagnóstico.
 
Ao recolher dados de 2.557 pessoas (das quais 934 se autodiagnosticaram com obstipação), de 411 médicos de família e 365 gastroenterologistas, percebeu-se que 94% dos autodiagnosticados iam ao encontro das normas de diagnóstico Roma IV. 
 
Contudo, os sintomas dos 1.623 que não reportaram obstipação também se encaixavam neste método, o que sugere que em cada três pessoas que não se consideram obstipadas, uma sofre de obstipação que não reconhece.
 
Surpreendentemente, usando estudos de caso, os investigadores verificaram que os diagnósticos de obstipação podem passar de 99% para 39%, dependendo dos sintomas apresentados. Cerca de dois terços dos pacientes podem desvalorizar sintomas, tais como movimentos infrequentes dos intestinos, o que para 65% dos médicos especialistas é um sintoma bastante importante de diagnóstico.
 
Os seis grupos de sintomas comuns identificados nesta investigação são: desconforto abdominal, dor e enfartamento; desconforto retal; movimentos intestinais infrequentes e fezes duras; disfunção sensorial; flatulência e enfartamento; incontinência fecal.
 
Kevin Whelan, diretor do departamento das Ciências da Nutrição do King’s College, remata: “o nosso estudo revela que existem vários sintomas considerados importantes para o diagnóstico (…) que não fazem parte dos atuais critérios ou ferramentas de avaliação (…)”.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário