Lanches das crianças do pré-escolar vão ter fruta e legumes

Programa europeu “não está a ter o sucesso desejado”

03 abril 2019
  |  Partilhar:
A distribuição de fruta e legumes nos lanches dos alunos do 1.º ciclo vai ser alargada ao pré-escolar, anunciou a responsável pelo programa da Direção-Geral da Saúde (DGS), que reconhece que a iniciativa tem ficado aquém do esperado.
 
Em declarações à agência Lusa, a diretora do Programa Nacional para a Alimentação Saudável da DGS, Maria João Gregório, reconheceu que o programa financiado pela União Europeia de distribuição de fruta e legumes “não está a ter o sucesso desejado”.
 
Só no passado ano letivo, mais de 230 mil crianças ficaram de fora do programa europeu de distribuição de fruta, legumes e leite nas escolas, porque Portugal usou apenas 1,7 milhões dos 5,5 milhões atribuídos pela União Europeia (UE), segundo dados de um relatório da UE a que a Lusa teve acesso.
 
Duas vezes por semana, o lanche de todas as crianças do 1.º ciclo deveria incluir uma peça de fruta ou um legume, segundo o programa europeu destinado a criar bons hábitos alimentares e a combater a obesidade infantil.
 
No entanto, a maioria dos municípios não tem aderido ao programa, que é uma parceria entre os ministérios da Agricultura, Educação e Saúde.
 
Tanto os gabinetes dos ministérios da Educação como da Saúde sublinharam que a operacionalização do projeto cabe ao Ministério da Agricultura que, até ao momento, não respondeu às questões da Lusa.
 
Também os diretores escolares lamentam que as autarquias estejam a desperdiçar estes fundos europeus.
 
Para tentar aumentar a participação das autarquias, a Direção-Geral da Saúde vai trabalhar no sentido de “aumentar a divulgação do programa e motivar as escolas e autarquias a participar mais”, acrescentou a diretora da DGS.
 
Ao contrário do que aconteceu com a fruta e as hortícolas, a distribuição de leite abrange atualmente a grande maioria dos alunos: no ano passado receberam pacotes de leite 119.464 crianças do pré-escolar (97,2%) e 332.407 do 1.º ciclo (99%).
 
A União Europeia atribuiu cerca de 657 mil euros para o programa da fruta e legumes e 1.045 mil euros para o leite. Resultado: os restantes 3,8 milhões do programa criado para incentivar as crianças a comer melhor nunca chegaram a Portugal.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário