Há novos alvos de combate a bactérias que causam infeções pulmonares

Estudo publicado na “Proceedings of the National Academy of Sciences”

29 janeiro 2019
  |  Partilhar:
Cientistas das universidades de Coimbra, Porto e Nova de Lisboa identificaram novos alvos de combate a micobactérias atípicas que causam infeções pulmonares graves, num estudo de cinco anos, anunciou a agência Lusa.
 
A descoberta "revela detalhes da biogénese de polissacáridos raros envolvidos na construção da parede destas bactérias ambientais, muito comuns em redes de distribuição de água", sustenta em comunicado a Universidade de Coimbra.
 
"Entender a forma como as micobactérias constroem essa parede protetora única poderá ser a chave para a conseguir derrubar”, argumentou Nuno Empadinhas, investigador do estudo.
 
“Começámos por identificar os genes e as funções das enzimas envolvidas na produção do polissacárido, e cuja caracterização a um nível molecular revelou o seu mecanismo, o que nos colocou um pouco mais perto de tentar inibir o processo para assim fragilizar a parede destas micobactérias, tornando-a no seu ponto fraco", explicou.
 
A equipa cientifica "dá um importante passo na luta contra as doenças causadas por estas bactérias - extremamente resistentes a condições ambientais adversas, a desinfetantes e à maioria dos antibióticos - e cada vez mais frequentes em pessoas com sistema imunitário enfraquecido, incluindo doentes crónicos ou e/ou populações idosas", adianta a nota.
 
"Não só porque nos permitiram conhecer a um nível fundamental um pouco mais da fisiologia destas micobactérias ambientais, mas também porque fornecem plataformas eventualmente únicas para o desenvolvimento futuro de estratégias antimicobacterianas mais eficientes do que as que existem atualmente", refere.
 
"(…) os esforços coordenados das várias equipas envolvidas alcançaram um resultado que dificilmente estaria acessível a qualquer delas individualmente: um mapa molecular único e detalhado deste importante processo biológico, que não só serve de ponto de partida para o nosso trabalho futuro nesta área, como esperamos venha a facilitar futuramente o combate às infeções causadas por micobactérias atípicas", acrescenta Pedro Pereira, investigador principal do estudo.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário