Fibrilação auricular em obesos revertida com perda de peso

Estudo publicado na “EP Europace”

25 junho 2018
  |  Partilhar:
As pessoas obesas que sofrem fibrilação auricular (FA) podem ter os efeitos da doenças revertidos se emagrecerem, indicou um novo estudo.
 
A AF é uma das causas principais de acidente vascular cerebral (AVC) e pode conduzir à insuficiência cardíaca. Os sintomas da doença incluem falta de ar, ritmo cardíaco rápido ou pouco usual e dor no peito.
 
O estudo que foi conduzido por uma equipa de investigadores da Universidade de Adelaide e do Instituto da Saúde do Sul da Austrália e de Investigação Médica, Austrália, apurou, com efeito, que a perda de 10% no peso corporal e gestão de alguns fatores de risco associados à FA pode reverter a progressão da doença.
 
A investigação teve por base a análise de 355 indivíduos com excesso de peso ou obesidade e que perderam peso em quantidades variadas. A perda de peso foi categorizada da seguinte maneira: grupo 1, para quem perdeu menos de 3%; grupo 2, para perdas de 3 a 9%; e grupo 3, para quem, perdeu 10% ou mais de peso.
 
Foi observado que no grupo 1 a perda de peso surtiu em 41% de casos que progrediram de FA paroxística para persistente e 26% de persistente para paroxística ou inexistência de FA. No grupo 2, 32% progrediram de FA paroxística para persistente e 49% reverteram de persistente para paroxística ou inexistência de FA. No grupo 3, 3% progrediram para FA persistente e 88% reverteram de persistente para paroxística ou inexistência de FA.
 
Em suma, quanto maior foi a perda de peso, maior foi a possibilidade de os participantes ficarem livres de FA: 45 (ou 39%) no grupo 1, 69 (67%) no grupo 2 e 116 (ou 86%) no grupo 3.
 
“Esta é a primeira vez que se descobriu evidência do facto de que nas pessoas obesas que sofrem de fibrilação auricular, a doença pode ser aliviada através da perda de peso e tratamento dos fatores de estilo de vida”, explicou Melissa Middeldorp, autora principal do estudo.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário