Fármacos associados a maior risco de doenças inflamatórias intestinais

Estudo publicado na revista “Alimentary Pharmacology & Therapeutics”

08 julho 2019
  |  Partilhar:
Os fármacos que atuam sobre o fator de necrose tumoral alfa (TNF-α, na sua sigla em inglês), podem provocar o desenvolvimento de outras doenças autoimunes, indicou um estudo recente.
 
O TNF-α é uma proteína envolvida na inflamação. Os fármacos que atuam sobre esta proteína revolucionaram a gestão de certas doenças autoimunes. O resultado do estudo conduzido por investigadores do Hospital Brigham and Women, em Boston, EUA, é assim um paradoxo, ao associar aqueles fármacos ao desenvolvimento de outras doenças autoimunes.
 
Para o estudo, os investigadores liderados por Joshua Korzenik analisaram dados recolhidos dos registos de saúde dinamarqueses. 
 
Foram identificados 17.018 pacientes com doenças autoimunes que tinham sido tratados com agentes anti-TNFα, principalmente com os fármacos infliximabe, etanercepte, adalimumabe, e 63.308 pacientes que não tinham sido expostos aos fármacos.
 
Os investigadores descobriram que os pacientes que tinham sido tratados com o fármaco etanercepte, mas não com outros agentes anti-TNFα, apresentavam um risco duas vezes acrescido de desenvolverem doenças inflamatórias intestinais: doença de Crohn e colite ulcerosa.
 
“Este estudo determinou que existe um maior risco de desenvolvimento de doenças inflamatórias intestinais em indivíduos que tomam etanercepte. O reconhecimento deste fenómeno é importante para os médicos que cuidam destes pacientes”, comentou Joshua Korzenik,
 
O investigador adiantou também que “talvez mais importante, é o facto de este estudo sugerir que a doença inflamatória intestinal pode ser uma das doenças autoimunes que podem ser provocadas por agentes anti-TNFα. Isto sugere que poderá haver um mecanismo comum de desregulação imune subjacente a estas doenças”. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário