Deteção precoce de pré-diabetes pode reduzir risco de doença cardiovascular

Estudo publicado na revista “Diabetes Care”

28 janeiro 2019
  |  Partilhar:
Receber um diagnóstico precoce de pré-diabetes e adotar um estilo de vida mais saudável poderá prevenir a progressão para diabetes e doenças cardiovasculares, indicou um estudo.
 
Um índice de glicose em jejum no sangue entre 100 e 125 mg/dL (5.6 to 6.9 mmol/L), é considerado como sendo pré-diabetes, enquanto que os níveis inferiores a 100 mg/dL (5.6 mmol/L) são considerados normais. É considerado diabetes um índice de 126 mg/dL (7 mmol/L) ou superior de glicose, em jejum, no sangue.
 
“Sabemos que ter diabetes faz aumentar o risco de se desenvolver doenças cardiovasculares, sendo que no nosso estudo queríamos determinar qual era o risco absoluto ou probabilidade de se desenvolver doenças cardíacas em pessoas que estavam apenas no nível pré-diabético de açúcar no sangue” explicou Michael Bancks, autor principal do estudo.
 
O estudo, que foi conduzido por uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina de Wake Forest, EUA, contou com dados de sete estudos observacionais que seguiram homens e mulheres entre 1960 e 2015. Os estudos englobavam 19.630 indivíduos sem historial de eventos cardiovasculares, entendidos como doença cardíaca ou acidente vascular cerebral.
 
O risco absoluto de doenças cardiovasculares nos participantes foi determinado através da análise da categoria de glicose em jejum, entre os 55 e os 85 anos de idade.
 
A equipa descobriu que o risco de doenças cardiovasculares nas mulheres variava entre os 15% (nas não-diabéticas) e os 38% (nas diabéticas); nos homens o risco variava entre os 21% (nos não-diabéticos) e os 47% (nos diabéticos).
 
Os aumentos na glicose até ao nível diabético na meia-idade foram associados a um risco cardiovascular substancialmente mais elevado do que a manutenção dos níveis de glicose abaixo do limite diabético.
 
“Embora tenhamos descoberto que os indivíduos que tinham níveis pré-diabéticos de glicose no sangue não tivessem um maior risco absoluto de doença cardiovascular, sabemos que a maioria das pessoas acabam por desenvolver diabetes, a não ser que tomem medidas para reduzir os seus níveis de açúcar no sangue”, comentou Michael Bancks.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário