Desenvolvido método de entrega de moléculas mais eficaz na U. Coimbra

Investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular de Coimbra

23 janeiro 2020
  |  Partilhar:
Investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular de Coimbra desenvolveram um método “inovador e sensível à luz”, que poderá ser útil no tratamento de lesões agudas da pele.
 
O grupo de investigadores “elaborou uma formulação inovadora para a entrega de moléculas que poderá ser bastante útil para o tratamento de lesões agudas da pele”, afirma a Universidade de Coimbra (UC), numa nota enviada à agência Lusa.
 
“Nos últimos anos têm surgido diversas estratégias de entrega de fármacos utilizando sequências de ARN não-codificantes” para o tratamento de várias doenças da pele, mas, sublinha a UC, estas “estratégias têm tido grandes dificuldades, atendendo ao caráter sensível destas moléculas e à dificuldade de entrada nas células da nossa pele”.
 
A equipa de investigadores decidiu, assim, “desenvolver uma formulação cuja ação fosse sensível à luz, que permite controlo sobre localidade e tempo da entrega do seu princípio ativo”, acrescenta.
 
Os investigadores procuraram “formulações baseadas em nanopartículas que fossem biodegradáveis, orgânicas, que causassem nenhuma ou pouca toxicidade” e que fossem ativáveis pela luz.
 
“Identificámos cerca de 160 formulações, cuja ação fosse controlável pela luz. Observámos que seis destas formulações eram bastante mais rápidas e eficientes que grande parte das formulações comercialmente disponíveis”, relata Vítor Francisco, também investigador.
 
Inicialmente, os cientistas testaram as diferentes formulações em células da pele e observaram uma rápida entrada e entrega da molécula de ARN que transportavam as mesmas após estimulação com luz.
 
De seguida, observaram que, em modelos animais com lesões agudas na pele, promoviam uma aceleração da cicatrização, comparando com os animais controlo.
 
Futuramente, o grupo de investigadores quer testar as mesmas formulações noutros contextos de lesões de pele mais graves.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário