Défice cognitivo ligeiro poderá ser revertido com exercício físico

Estudo publicado na “Neurology”

02 janeiro 2019
  |  Partilhar:
Um novo estudo revelou que a prática de seis meses de exercício físico aeróbico poderá reverter o défice cognitivo ligeiro (DCL).
 
O DCL é caracterizado por uma perda ligeira de capacidades cognitivas, como a memória, tomada de decisões e capacidade de concentração. O DCL pode igualmente aumentar o risco de demência como a Alzheimer.
 
Para o estudo, uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade Duke, EUA, recrutou 160 pessoas com uma média de idades de 65 anos. Os voluntários apresentavam fatores de risco cardiovascular, relatavam sintomas de DCL e uma vida sedentária.
 
A equipa pôs os participantes a seguir uma dieta para minimizar a hipertensão, conhecida como DASH (“Dietary Approaches to Stop Hypertension”). Esta dieta é rica em fibra e em alimentos com baixo teor de sódio como hortaliça, frutos de casca rija, leguminosas, carne e lacticínios magros.
 
Os participantes foram ainda divididos em quatro grupos: um grupo fez exercício aeróbico, outro grupo seguiu a dieta DASH apenas, o terceiro grupo fez exercício aeróbico e seguiu a dieta DASH e o último grupo recebeu telefonemas educativos relacionados com a saúde.
 
Os grupos que praticaram exercício físico treinaram três vezes por semana, durante 45 minutos em cada sessão.
 
As competências cognitivas dos participantes foram avaliadas no início do estudo e seis meses mais tarde, através de testes cognitivos. A forma física foi testada através de provas de esforço em passadeiras.  A saúde cardiovascular foi avaliada através de medição da tensão arterial, teor de glicose e lípidos no sangue.
 
O estudo revelou um aumento substancial na função executiva nos participantes que tinham feito exercício físico e seguido a dieta, em comparação com os que só praticaram exercício ou seguiram a dieta. 
 
Com efeito, os participantes que apresentavam uma pontuação da função executiva equivalente à de uma pessoa de 93 anos, passaram a ter uma função executiva equivalente a uma pessoa de 84 anos. Não foi detetado um melhoramento significativo na memória. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário