Criado colete inovador para monitorizar doença pulmonar obstrutiva

Projeto europeu com participação da Universidade de Coimbra

17 outubro 2018
  |  Partilhar:
Um consórcio europeu desenvolveu um colete inovador para monitorização contínua da doença pulmonar obstrutiva crónica, anunciou a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), que participa no projeto.
 
A doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) será em 2030 a quarta causa de morte e a sétima de morbilidade no mundo, de acordo com previsões da Organização Mundial de Saúde.
 
Segundo apurou a agência Lusa, o projeto teve como “grande objetivo desenvolver um sistema tecnológico que mude o paradigma no tratamento e acompanhamento dos pacientes que sofrem de DPOC com comorbilidades (designadamente insuficiência cardíaca, ansiedade, depressão e diabetes)”, apostando na “medicina P4” (“preditiva, preventiva, personalizada e participativa”).
 
O projeto WELCOME, que envolve também pneumologistas, terapeutas respiratórios, farmacêuticos e a indústria, conseguiu, “pela primeira vez, produzir um colete”, incorporando “um sistema de tomografia de impedância elétrica, equipamento que permite obter, de forma não invasiva, imagens dos pulmões geradas através da passagem de uma corrente elétrica”.
 
O WELCOME Vest “efetua a aquisição, em tempo real, de um imenso volume de dados muito díspares e envia-os para um dispositivo do paciente (“tablet” ou “smartphone”), onde é realizado o pré-processamento da informação recolhida para validar a sua qualidade”, esclarece Rui Pedro Paiva, coordenador da equipa portuguesa.
 
“Também no ‘tablet’, o paciente dispõe de uma aplicação com um conjunto de tarefas a realizar pelo próprio, tais como resposta a questionários de fadiga, medição de pressão arterial, pesagem ou visualização de vídeos (in)formativos”, acrescenta.
 
Os dados são depois remetidos “para o processamento dos diferentes tipos de informação que permita traçar o quadro do paciente e prever exacerbações (episódios de agravamento da doença), fornecendo ao médico (…) informação que possibilite atuar atempadamente, evitando internamentos e atuando ao nível da prevenção (…)”, realça o investigador.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário