Compostos do café poderão inibir cancro da próstata

Estudo publicado na revista “The Prostate”

21 março 2019
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores identificou compostos que se encontram no café, os quais poderão inibir a progressão do cancro da próstata.
 
O achado foi efetuado num estudo-piloto conduzido por investigadores liderados por Hiroaki Iwamoto da Escola de Ciências Médicas da Universidade de Kanazawa, no Japão. 
 
O consumo de determinados tipos de café tem demonstrado cada vez mais estar associado a uma redução na incidência de alguns cancros, incluindo o da próstata. 
 
O estudo foi conduzido sobre células cancerígenas resistentes a fármacos cultivadas em laboratório e em ratinhos.
 
Para o estudo, os investigadores testaram inicialmente o efeito de seis compostos do café sobre células de cancro da próstata humanas cultivadas em laboratório. Como resultado, as células tratadas com os compostos conhecidos como acetato de kahweol e cafestol cresceram de forma mais lenta do que os controlos.
 
Seguidamente, testaram os compostos em células de cancro da próstata que tinham sido transplantadas para 16 ratinhos. Quatro ratinhos foram os controlos, quatro foram tratados com acetato de kahweol, quatro com cafestol e os outros quatro com uma combinação de ambos os compostos.
 
Como resultado, “descobrimos que o acetato de kahweol e o cafestol inibiram o crescimento das células cancerígenas em ratinhos, mas a combinação terá funcionado de forma sinergética, conduzindo a um crescimento tumoral significativamente mais lento do que nos ratinhos não tratados”, avançou Hiroaki Iwamoto
 
“11 dias mais tarde, os tumores não tratados tinham crescido cerca de três vezes e meia em relação ao volume original (342%), enquanto que os tumores dos ratinhos tratados com ambos os compostos tinham crescido cerca de uma vez e meia (167%) em relação ao tamanho original”, continuou.
 
Os autores consideram os achados promissores e, se forem confirmados, poderão tornar-se candidatos a tratamentos de cancro da próstata resistente.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário