Cirurgia com ultrassom poderá tratar hipertensão arterial

Estudo publicado na revista “Circulation”

21 março 2019
  |  Partilhar:
Uma intervenção cirúrgica que emprega ultrassons demonstrou reduzir e manter a tensão arterial resistente baixa durante meses, assim como diminuiu a necessidade de medicação anti-hipertensiva.
 
O novo procedimento, denominado “denervação renal”, consiste numa operação com a duração de uma hora e emprega energia de ultrassons para interferir com a ligação dos nervos entre os rins e o cérebro que transporta sinais para controlar a tensão arterial.
 
Os resultados observados foram obtidos num ensaio clínico randomizado, liderado por investigadores da Universidade Queen Mary de Londres e da Fundação do NHS Barts Health, no Reino Unido.
 
Para o ensaio clínico foram recrutados 156 pacientes oriundos da Alemanha, Bélgica, EUA, França, Holanda e Reino Unido. O grupo foi dividido em dois, de forma aleatória. Um dos grupos foi submetido a denervação renal e o outro a um procedimento placebo ou “sham”, ou seja, o equivalente cirúrgico de um placebo.
 
A denervação renal proporcionou a redução, significativa e segura, da tensão arterial no grupo de pacientes submetidos ao procedimento. Este efeito era visível dois meses mais tarde e com a ausência de medicação anti-hipertensiva.
 
Seis meses mais tarde, foi observado que o efeito de baixa de tensão oferecido pelo procedimento se mantinha, com uma maior proporção de pacientes tratados com denervação renal (58%) a conseguirem controlar a sua tensão arterial em relação aos tratados com o placebo (42%).
 
Apesar de a maioria dos pacientes necessitar de medicação para melhorar o controlo da tensão arterial, mais do dobro de pacientes estava totalmente livre de medicação no grupo da denervação renal (35,8%) em relação ao grupo do procedimento placebo (15,5%).
 
Mais, seis meses mais tarde, a denervação renal tinha reduzido a tensão arterial em 18,1 mmHg, em comparação com o procedimento placebo, que era de 15,6 mmHg.
 
Se os achados forem confirmados em ensaios de maiores dimensões, a denervação renal poderá ser promissora no tratamento da hipertensão persistente. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário