Cancro da pele: método de diferenciação celular pode ser cura

Estudo publicado na “Cell Reports”

05 setembro 2019
  |  Partilhar:
Uma equipa de cientistas da Faculdade de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia, EUA, descobriu um mecanismo que permite a formação de cancro da pele e como bloqueá-lo.
 
A camada exterior da pele regenera-se a cada 4 semanas, mas quando este processo é bloqueado, pode aparecer o cancro. O regulador responsável por esse bloqueio é o LSD1 que reprime os genes necessários à regeneração saudável.
 
O LSD1 é um regulador que diz às células parentais que tipo específico de célula é que a sua linhagem deve ser e é responsável pelo crescimento de cancros de pele não-melanoma. 
 
O carcinoma cutâneo de célula escamosa é um tipo de cancro causado por um crescimento anormal das células da pele. Investigações anteriores mostraram que estes cancros acontecem quando as células, que se renovam constantemente, não se diferenciam quando se reproduzem.
 
Como forma de contornar este aspeto, os investigadores descobriram de que forma é que o LSD1 reprime os genes necessários à regeneração saudável e conseguiram ainda influenciar geneticamente a pele de maneira a que esta cresça de forma a que o bloqueio por LSD1 não aconteça.
 
Estudos anteriores tinham já revelado que o LSD1 seria responsável pelos cancros não-melanomas, mas não tinham ainda conseguido explicar a forma como atua o seu processo de bloqueio e como contornar este aspeto.
 
“Ao desligar o LSD1 podemos essencialmente voltar a ligar o interruptor que dirá às células da pele para se diferenciarem de uma maneira saudável”, explica Brain Capell, investigador deste estudo.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário