Apneia do sono com sonolência diurna excessiva causa maior risco cardiovascular

Estudo publicado na revista “American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine”

19 fevereiro 2019
  |  Partilhar:
Os pacientes com síndrome de apneia obstrutiva do sono (SAOS) com sonolência diurna excessiva aparentam um risco bastante maior de doenças cardiovasculares do que os que não apresentam sonolência diurna excessiva, indicou um estudo.
 
Vários estudos associaram já a SAOS a doenças cardiovasculares. Para melhor perceber esta associação, investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Pensilvânia, EUA, categorizaram 1.207 participantes com SAOS moderada a severa em quatro subtipos: distúrbios de sono, minimamente sintomático, moderadamente sonolento e excessivamente sonolento.
 
Os participantes tinham 40 anos ou mais de idade na altura do recrutamento e foram monitorizados durante aproximadamente 12 anos. 
 
A SAOS moderada a severa foi entendida como pelo menos 15 episódios de paragem respiratória por hora durante o sono ou uma redução na respiração conhecida como hipopneia. 
 
Foi apurado que os participantes com sonolência diurna excessiva apresentavam um risco três vezes maior de serem diagnosticados com insuficiência cardíaca na altura do recrutamento em relação aos outros três subtipos. 
 
Aqueles participantes apresentavam ainda uma propensão duas vezes maior de experienciarem um evento cardiovascular, como ataque cardíaco, acidente vascular cerebral (AVC) ou morte cardiovascular, durante o período de acompanhamento, em relação aos outros subtipos.
 
O grupo de participantes com sonolência diurna excessiva era ainda o único a apresentar índices mais elevados de doenças cardiovasculares na altura do recrutamento em comparação com os participantes sem SAOS. 
 
Finalmente, aqueles participantes apresentavam uma maior propensão de evento cardiovascular novo ou recorrente durante o período de acompanhamento. 
 
O estudo foi observacional, pelo que não prova uma relação de causa e efeito. No entanto, os resultados podem orientar futuros estudos.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário