Adaptador oral poderá ser solução para apneia do sono

Estudo publicado na revista “Annals of the American Thoracic Society”

29 agosto 2019
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores de várias universidades liderados por Ahmad A. Bamagoos efetuaram um estudo onde determinaram os cinco traços que definem se um paciente beneficiará de adaptador oral ou não, em caso de apneia do sono. 
 
Scott Sand, um dos investigadores, explica que “a apneia do sono não é toda igual e só recentemente se desenvolveram métodos para determinar quais os traços que causam o problema em diferentes pacientes”.
 
A apneia do sono acontece com o colapso dos tecidos moles na parte de trás da garganta ou da língua, causando obstrução à passagem do ar. 
 
A atual ação preventiva é o paciente usar uma máscara que sopra uma grande quantidade de ar sempre que a obstrução acontece. Contudo, para muitas pessoas é difícil dormir com esta máscara, pelo que um adaptador oral que move a mandíbula para a frente para prevenir a obstrução é uma alternativa.
 
“Visto que os adaptadores orais melhoram a hipótese de colapso das vias superiores, os pacientes com um colapso pouco severo beneficiam mais do que os pacientes com apneia do sono causada por outros traços, tais como reflexos exagerados como resposta à queda do nível de oxigénio”, acrescenta Sand.
 
Para o estudo, os investigadores analisaram os dados de polissonografia de 93 adultos com média de idades de 56 anos a quem foi diagnosticada apneia moderada a severa.
 
Aqueles com um dos dois traços relacionados com as vias superiores, colapso e compensação muscular, e cuja intensidade era menor, beneficiavam de melhorias com o uso do adaptador.
 
Aqueles cuja apneia não estaria ligada às vias superiores não usufruíam de qualquer vantagem no uso do adaptador. Os três traços preditivos do insucesso do adaptador são uma resposta agressiva do cérebro e dos pulmões à falta de oxigénio, dificuldade em acordar durante os episódios de obstrução e ter um sono profundo.
 
Com base nestes cinco traços, os investigadores conseguiram prever a eficácia deste adaptador em 61% dos participantes que revelaram reduções significativas no número de paragens respiratórias por hora.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário