Abriu casa abrigo para vítimas de violência doméstica com doença mental

Projeto-piloto é pioneiro em Portugal

08 fevereiro 2019
  |  Partilhar:
A primeira casa abrigo com acolhimento diferenciado para mulheres com doença mental vítimas de violência doméstica está agora a funcionar em Viseu, com o objetivo de as ajudar a construir um novo projeto de vida.
 
Segundo apurou a agência Lusa, este projeto piloto e pioneiro a nível nacional surgiu na sequência da mobilização de um conjunto de esforços entre várias instituições.
 
“Tem capacidade para acolher dez utentes, incluindo os filhos menores ou maiores com deficiência, na sua dependência”, explicou a diretora técnica do Núcleo de Atendimento às Vítimas de Violência Doméstica do Distrito (NAVVD) de Viseu, Carla Andrade, durante a apresentação pública do projeto.
 
Segundo Carla Andrade, “o trabalho desenvolvido em rede pelo NAVVD Viseu nos últimos dez anos junto das vítimas de violência doméstica tornou evidente a lacuna de uma resposta especializada para vítimas de violência doméstica com doença mental”.
 
A maioria das pessoas acompanhadas pelo núcleo tinham “acentuada prevalência de patologia psiquiátrica, seja do tipo afetivo, do tipo psicótico e perturbações da personalidade”. Havia ainda uma “acentuada percentagem de vítimas com antecedentes de tratamento e acompanhamento psiquiátrico e toma regular de psicofármacos” e também casos de “dificuldade de continuidade dos cuidados psiquiátricos regulares”, explicou.
 
A responsável disse que, na casa abrigo, as mulheres vítimas de violência doméstica com doença mental terão “condições de segurança e de conforto” e o acompanhamento de uma equipa especializada.
 
Carla Andrade explicou que, com o protocolo celebrado entre a Casa do Povo de Abraveses e o Centro Hospitalar Tondela Viseu, será possível “uma eficaz articulação com a área da psiquiatria, pedopsiquiatria, pediatria, sexologia e urgência no sentido de responder às complexas situações das vítimas acolhidas na casa abrigo”.
 
Na última década, o NAVVD atendeu 1.552 pessoas, tendo constatado uma elevada prevalência de patologia psiquiátrica.
 
A Casa do Povo de Abraveses é a entidade gestora do NAVVD e do Centro de Acolhimento de Emergência que acolheu, desde 2013, 595 mulheres e filhos menores vítimas de violência doméstica.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário