A vacina contra o HPV realmente funciona

Estudo publicado na revista “International Journal of Cancer”

21 junho 2018
  |  Partilhar:
O primeiro grupo de raparigas a receber a vacina contra o vírus do papiloma humano (HPV, sigla em inglês) demonstraram uma diminuição significativa na incidência de displasia, indicou um estudo.
 
Conduzido por investigadores da Faculdade de Saúde e Ciências Médicas da Universidade de Copenhague, Dinamarca, o estudo foi o primeiro efetuado sobre os efeitos da vacina sobre uma coorte composta por elementos da população geral na Dinamarca, onde a vacina se tornou parte do programa nacional de vacinação em 2009.
 
Segundo os investigadores, os efeitos não deixam margem para dúvida. A vacina contra o HPV funciona mesmo. 
 
O estudo foi efetuado com base na comparação da incidência de displasia de alto grau (que pode conduzir ao cancro do colo do útero) numa coorte com mulheres nascidas em 1983 (que não receberam a vacina contra o HPV) e outra com mulheres nascidas em 1993 (que foram o primeiro grupo de raparigas a receber a vacina, aos 15 anos de idade). 
 
As duas coortes são semelhantes em termos de habilitações académicas e mediana de idade de início da vida sexual, entre outros fatores. 
 
Os investigadores analisaram os primeiros exames de rastreio do cancro do colo do útero em ambos os grupos. Como resultado descobriram uma diferença significativa na incidência de displasia de alto grau entre as mulheres de ambos os grupos. Com efeito, as mulheres nascidas em 1993 revelavam um risco 40% menor de terem displasia de alto grau em comparação com as do grupo de 1983.
 
“Isto significa que menos mulheres têm que ser referenciadas para um ginecologista para mais exames e terem uma amostra de tecido recolhida. Eventualmente, esperamos também que menos adoeçam”, avançou Lise Thamsborg, primeira autora do estudo.
 
A equipa explicou ainda que esperam que os efeitos benéficos observados sejam ainda mais pronunciados atualmente, pois a vacina é agora tomada aos 12 anos (em vez de aos 15 anos, como foi o caso da coorte nascida em 1993), uma idade em que muito poucas raparigas são sexualmente ativas.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário