A gordura afeta homens e mulheres de forma diferente. Porquê?

Estudo publicado na revista “Frontiers in Physiology – Vascular Physiology”

26 outubro 2018
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores identificou a provável razão pela qual as mulheres se mantêm mais saudáveis do que os homens, mesmo quando aumentam a gordura corporal.
 
Sabe-se que o tecido adiposo se desenvolve de forma diferente no sexo masculino e no sexo feminino. Existe também uma diferença nos dois sexos entre a suscetibilidade para as doenças cardiovasculares, resistência à insulina e diabetes. 
 
No entanto, não se sabia ao certo porque é que os tecidos adiposos ofereciam maior proteção contra aquelas doenças no sexo feminino que masculino.
 
Num estudo conduzido por uma equipa dirigida por Tara Haas, docente na Escola de Cinesiologia e de Ciências da Saúde, da Faculdade de Saúde da Universidade de York, Reino Unido, foram analisadas as diferenças entre o tecido adiposo abdominal de ratinhos do sexo feminino e masculino.
 
Como resultado, a equipa descobriu que o tecido adiposo dos ratinhos fêmea possuía mais vasos sanguíneos do que o tecido adiposo dos machos, e que essa diferença protegia a saúde das fêmeas à medida que estas ganhavam mais gordura devido a uma alimentação rica em gordura.
 
“Concluímos que esta resposta permitiu às fêmeas manterem uma gordura mais saudável e uma melhor sensibilidade à insulina”, disse Tara Haas.
 
Os vasos sanguíneos são essenciais para manter o tecido adiposo saudável pois fazem com que as células adiposas recebam oxigénio e nutrientes, mantendo assim o tecido adiposo saudável.
 
Martina Rudnicki, também investigadora, apontou que este estudo é único, na medida em que se concentra nas diferenças entre o tecido adiposo abdominal entre os dois sexos. Embora a gordura se acumule em diferentes regiões do corpo, é a gordura abdominal que está ligada a um maior risco de diabetes, particularmente nos homens. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentário